Alta do Bitcoin faz criptoativo atingir a marca histórica de U$51 mil

0
Halving do Bitcoin

O Bitcoin, principal criptomoeda, chegou a marca histórica de U$51 mil nesta semana, um marco histórico para a moeda. Essa alta acontece em um momento em que grandes empresas do mercado estão aderindo ao Bitcoin, como a Tesla do Elon Musk, que comprou na semana passada cerca de US$ 1,5 bilhão em bitcoin, a empresa planeja aceitar a criptomoeda como pagamento.

Esse boom mexeu com o mercado e a tendência é que o Bitcoin continue a crescer nos próximos dias. Pensando nisso, especialistas do mercado falaram sobre essa movimentação.

Para Vinicius Frias, CEO do Alter, o Bitcoin chegando aos U$51 mil é um marco significativo. “Na história do Bitcoin, ficará marcado como um marco da entradas dos institucionais posicionados no ativo, como Grayscale (fundo de criptoativos), MicroStrategy, Tesla e outros” Para ele o Bitcoin o próximo grande alvo será os U$100 mil. Essa alta vem através de uma história que já tem 12 anos, cheio de altos e baixos.”Durante anos os evangelizadores e o varejo foram os responsáveis por trazer o bitcoin até o patamar atual. O ecossistema hoje é muito mais maduro, era algo natural de acontecer” completa o CEO.

Para Ricardo Dantas, COCEO da Foxbit, cada ATH (all time high)é uma grande vitória para o mundo das criptomoedas. “Isso mostra toda mudança do mundo financeiro que ainda está por vir. A tendência é de subir ainda mais esse ano, mas acreditamos que o Ether ainda não começou o movimento de subida que o Bitcoin já está”. Ricardo completa e diz que esse aumento aconteceu por consequência do Halving em 2020. “As boas notícias dos grandes investidores e empresas têm acelerado bastante esse processo. Dessa vez está bem diferente do que aconteceu em 2017/2018” finaliza.

Segundo Lucas Schoch, CEO da Bitfy, carteira multiuso e sem custódia de bitcoins, a ascensão da criptomoeda, impulsionada por grandes empresas como a Tesla e a Square, mostra que investidores estão visando ativos que não são afetados pela inflação, com objetivo de “reserva de valor”, como é o caso da Bitcoin. “Todos os momentos em que o Bitcoin atinge sua máxima histórica, o que tem acontecido bastante ultimamente, fazem com que o Bitcoin e outras criptomoedas entrem em evidência. Acredito que ainda estamos longe do mainstream, mas que sem dúvidas nunca estivemos tão perto”, destaca.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui