Mais

    Autoatendimento: por que e como adotar essa estratégia no seu negócio?

    Publicidade

    Pouco tempo atrás, a ideia de autoatendimento era associada a uma realidade futurista, geralmente com nações mais desenvolvidas e rotinas distantes do Brasil. No entanto, ao longo dos últimos anos, os avanços tecnológicos foram alterando esse cenário. Há algumas décadas, o país foi apresentado aos primeiros terminais de autoatendimento em bancos e aeroportos e, em seguida, as máquinas de vendas começaram a aparecer, sobretudo com a oferta de bebidas e snacks. Hoje, esse tipo de solução já é familiar a grande parte dos cidadãos, que passam a ver sua aplicação em restaurantes, lojas e supermercados, ainda mais após a pandemia. De acordo com estudo da Croma Marketing Solutions, 60,4% dos brasileiros já optam por utilizar o autoatendimento sempre que possível.

    Por dispensar contato com outras pessoas, esse modelo se popularizou em meio ao medo de contaminação e ao crescimento da digitalização que marcaram os últimos dois anos. Para o especialista em tecnologias para vendas físicas e digitais João Gustavo Pompeo, CEO da Eyemobile, essa é mais uma dentre as diversas tendências que vieram para ficar. “Muitos estabelecimentos adotaram o autoatendimento como uma forma de buscar alternativas para a crise sanitária e de melhorar a experiência do consumidor diante das necessidades do momento. Com o tempo, porém, eles foram percebendo outros benefícios que esse recurso poderia trazer para suas vendas, notando seu potencial mesmo para o pós-pandemia”, reforça Pompeo.

    Publicidade

    Uma das grandes vantagens deste modelo de atendimento é o baixo custo de investimento para a operação, considerando que é possível reduzir os gastos com equipes e utilizar equipamentos mais enxutos. Em bares e restaurantes, por exemplo, um tablet com um dispositivo inteligente integrado tem funcionado como um cardápio digital, permitindo ao cliente conhecer os produtos, fazer seu pedido e realizar o pagamento por meio de softwares intuitivos como aplicativos de pedidos, sem necessidade de atendentes. “O mais interessante é que a mesma tecnologia pode ser aplicada para qualquer tipo de negócio do varejo”, reforça o CEO da Eyemobile, que oferece ferramentas como essas com o objetivo de otimizar jornadas de compra. Um de seus principais parceiros é a Dengo Chocolates, que, em determinadas lojas, permite que o cliente consulte o cardápio, faça o pedido e pague pelos produtos pelo seu próprio celular.

    Já em mercados, são os totens de autoatendimento que têm ganhado espaço. O consumidor escolhe seus produtos e, em vez de passar em um caixa tradicional, vai até o terminal digital, onde escaneia suas compras por meio de códigos de barras ou QR Codes das mercadorias. Depois, basta realizar o pagamento por cartão, vouchers, PIX ou outras modalidades.

    Assim, favorece-se a autonomia do consumidor, que se sente mais à vontade para interagir com ofertas e realizar compras. Além disso, sem a necessidade de esperar por um atendente ou enfrentar uma fila no caixa, gera-se mais agilidade — o que melhora a experiência de compra. Segundo a pesquisa Panorama da Experiência do Consumidor 2021, da Opinion Box, mais de 55% dos brasileiros apontam “ser rapidamente atendido” e “agilidade nos caixas” como fatores que influenciam positivamente na decisão de compra em uma loja física.

    Para Pompeo, o empreendedor precisa estar atento ao cenário que cerca seu negócio, independentemente do tamanho do seu estabelecimento ou do seu segmento de atuação: as transformações tecnológicas vêm acontecendo em todos os âmbitos, revolucionando as formas de comprar e vender do pequeno ao grande varejo. “Hoje, uma das únicas certezas que temos é que o futuro do consumo é digital. Aquele que não estiver preparado para atender às necessidades do seu cliente nessa realidade ficará para trás”, reforça o especialista.

    Futuro será totalmente autônomo

    Publicidade

    Embora o autoatendimento esteja se tornando cada vez mais comum, ainda é normal vermos esse formato dividindo espaço com o atendimento tradicional. O próximo passo, porém, deve ser a popularização do honest market — uma loja inteligente que funciona de forma completamente autônoma, sem funcionários. Nesse conceito, o próprio cliente pega o que precisa e faz o seu registro, escaneando um QR Code que adesiva os produtos e fazendo o pagamento.

    O formato já é comum em diversos países, mas dá os primeiros passos para se estabelecer no Brasil. Com a pandemia, o segmento ganhou forças em alguns modelos, como de minimercados e lojas de conveniência instaladas dentro de centros empresariais ou de condomínios residenciais.

    Publicidade

    Artigos recentes

    Notícias Relacionadas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui