Como o e-commerce sabe qual é a sua próxima compra?

Publicidade

Os dois últimos meses do ano são fundamentais para os e-commerces. É nesse período que duas das maiores datas do comércio acontecem: Black Friday e Natal. Para estar na frente da concorrência e conquistar os clientes, os varejistas contam com inúmeras estratégias que vão além das promoções. Entender exatamente o que o consumidor está precisando comprar é uma delas. No entanto, você já parou para pensar como isso acontece?

Segundo Bruno Ramos, CEO da HartB, empresa de Inteligência de Dados especialista no varejo, observar apenas o histórico de compra é uma atitude equivocada, mas utilizada por boa parte dos e-commerces. “É preciso analisar o comportamento de cada consumidor e não apenas o seu histórico de compra. Você pode comprar algo para presentear alguém que não faz sentido para você. Por isso, se uma loja analisa apenas os últimos itens comprados, ela tende a indicar produtos que pouco fazem sentido com as necessidades de um cliente”, defendeu.

Publicidade

Isto é, segundo o executivo, ao utilizar apenas o histórico de compra de um usuário, na prática, a empresa estaria mirando em apenas uma informação que pode não ser efetiva. Essa foi a premissa que a HartB utilizou para criar uma solução exclusiva para um gigante do varejo. Ao invés de analisar somente as últimas compras realizadas por um usuário, a empresa analisa uma série de informações públicas para compreender exatamente o que pode ser sugerido para aquele usuário. Essas informações são coletadas e compiladas por robôs de forma contínua e entregue em forma de melhores práticas para o varejista.

Dentre os dados analisados para esse tipo de solução, Ramos entregou que o histórico de pesquisa de um usuário na internet é bem importante para essa análise. Entretanto, não é só isso, dados como conteúdos publicados e curtidos em redes sociais; perfis seguidos pelos usuários; mapa de localização; idade; sexo e localização são algumas informações importantes para chegar à conclusões assertivas sobre o que aquele consumidor gostaria de comprar.

Para além dessa solução, a empresa ainda criou outra análise, cujo objetivo é apontar qual é o melhor horário para enviar uma mensagem para o cliente. “Não é efetivo imaginar que um determinado horário é bom para todos. É preciso que a relação entre as empresas e os clientes seja mais pessoal e personalizada, para isso é fundamental analisar os dados certos”, finalizou o executivo.

Publicidade

Artigos recentes

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui