Confira como a tecnologia pode deixar a vacinação contra a COVID-19 mais eficiente

Dispositivos móveis e Internet das Coisas podem agilizar campanhas de imunização

0

A vacinação contra a COVID-19 se tornou uma corrida contra o tempo na batalha para salvar vidas. A disponibilidade de vacinas e de equipes médicas é essencial, mas o processo de imunização da população pode se tornar mais eficaz por meio de soluções tecnológicas simples e acessíveis. “Estamos falando de dispositivos como smartphones e tablets corporativos, além de scanners e impressoras móveis”, explica o presidente da Zebra Technologies no Brasil, Vanderlei Ferreira. “Ao conectarmos eles e as informações que eles registram a um sistema unificado por meio da Internet das Coisas, atingimos uma operação inteligente e eficiente, preparada para atender as demandas que um momento crítico como o atual traz”, completa.

Confira abaixo como a adoção de tecnologia pode beneficiar diferentes etapas do processo de vacinação:

  1. Postos de vacinação preparados para as demandas do dia

Registrar os dados de cada paciente com antecedência pode contribuir para uma campanha de vacinação mais eficiente, pois permite que os postos de vacinação se preparem para o fluxo de pessoas esperado a cada dia, contando com a equipe e os insumos necessários para o período. O cadastro de pacientes aliado a uma solução de gerenciamento de tarefas possibilita que as equipes recebam instruções em tempo real para organizar o espaço (removendo assentos para garantir o distanciamento social, por exemplo), ou realizar inventários e listas de verificação que garantam a disponibilidade de doses e outros materiais necessários.

  1. Operações digitalizadas – chega de papel

Times equipados com computadores portáteis, leitores de código de barras, tablets e impressoras podem ser muito mais eficientes do que aqueles que contam apenas com papéis e canetas. Tais dispositivos devem estar sincronizados com o sistema que registra os pacientes esperados para o dia, gerando informações em tempo real que garantem a operação eficaz do posto. Eles também possibilitam a leitura rápida de documentos de identidade com chip, o preenchimento automático de dados cadastrais e a comunicação por voz via tecnologia push-to-talk (PTT).

  1. Doses na temperatura certa e atualização de informações em tempo real

As doses de vacinas devem contar com uma etiqueta térmica que indique caso o frasco tenha sido armazenado fora da temperatura recomendada pelo fabricante. A embalagem também deve ter seu código de barras escaneado para que informações sobre laboratório, número de lote e dose sejam registradas no prontuário digital do paciente e em sua carteirinha de vacinação.

  1. Rastreamento de possíveis reações adversas

A coleta de dados nas etapas anteriores garante que os especialistas tenham acesso a todas as informações necessárias caso o paciente apresente alguma reação adversa após a vacinação. Caso o sistema de saúde já conte com um registro médico único digitalizado, o acesso a dados – como doenças anteriores e idade – pode ajudar no possível tratamento do paciente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui