Coronavouvher: Saiba se você se enquadra para receber o auxílio emergencial

0

Nesta última terça-feira 07/04, foi disponibilizado o site auxilio.caixa.gov.br e o aplicativo Caixa | Auxílio Emergencial, para quem precisa e quer receber o auxílio emergencial de R$ 600.

As pessoas que podem requisitar são:

  • Maiores de 18 anos;
  • Desempregados:
  • Trabalhadores informais como, por exemplo, motoristas de aplicativos;
  • Pessoas que não recebem benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou participam de programa de transferência de renda federal (exceto pelo Bolsa Família);
  • Pessoas que tem a renda mensal familiar por pessoa de até meio salário mínimo, ou no total, de até três salários mínimos;
  • Pessoas que não receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018;

Quem já recebe o bolsa família;

As mães chefes de família que sustentem seus filhos podem receber sozinhas até duas cotas, R$1.200.

O recebimento do dinheiro para quem fez o cadastro no App é de 48 horas, aqueles que fazem parte do Bolsa Família deverão receber a partir do dia 16, de acordo com o calendário regular de pagamento.

Para aqueles que já possuem conta nos bancos Caixa ou Banco do Brasil, o auxílio será disponibilizado direto na conta e poderá, também, ser sacado nas casas lotéricas.

Entretanto o Coronavouvher que deveria ser distribuído em três meses será efetivado em apenas 45 dias.

A previsão é que a primeira parcela fique disponível na próxima terça-feira (14) para saque, a segunda para 27 a 30 de abril, e a terceira entre 26 e 29 de maio.

“Na minha visão, deveria sim ser um auxílio distribuído por três meses, ou no mínimo 90 dias” afirma Cristiane Bernardes Administradora.

Algumas pessoas também apresentaram a preocupação de este ser um valor baixo, mas Cristiane comenta “Com R$600 não dá para se fazer milagre, mas já é uma ajuda a quem está desempregado”.

Diante da economia paralisada e os trabalhadores ficando em casa, em favor do pedido de isolamento social, o auxílio emergencial irá ajudar muitas famílias carentes a se sustentarem neste momento. É importante ressaltar que se você não precisa do auxílio deixe para quem precisa.

Por isso “É necessário praticar a empatia, o problema existe e aos poucos nós conseguiremos contornar ele, a gente vai reaprendendo a viver na economia atual” finaliza Cristiane Bernardes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui