Em meio a impasses de companhias brasileiras sobre manter ou interromper o modelo remoto, Lambda3 também adota estratégia de contratações para aumentar o quadro colaborativo em 18%, com 31% das pessoas de outros estados

Os modelos presencial e remoto de trabalho ainda são incógnitas para boa parte das empresas. Enquanto 94% das companhias brasileiras acreditam ter atingido ou superado suas expectativas de resultados com o home office, 70% planejam interromper o formato ou reduzi-lo para apenas 25% dos funcionários com o fim da pandemia de Covid-19, segundo pesquisa conduzida pela Fundação Instituto de Administração (FIA).

Desde o início da quarentena, o setor de tecnologia foi dos poucos que se manteve fortalecido, sobretudo por conta do aumento das demandas de empresas para a digitalização de seus negócios. Segundo o sócio-fundador e CEO da Lambda3, Victor Hugo Germano, a companhia estima aumento de 40% do faturamento até o final deste ano, em comparação com 2019, sendo que a facilidade de adequação foi um dos fatores determinantes para a estabilidade no momento mais crítico da quarentena.

“Antes da pandemia, tínhamos um cenário em que diversas companhias, inclusive a nossa, pensavam em migrar ou testar o formato, mas sempre deixavam para o futuro. Já tínhamos um modelo de home-office flexível, apesar de adoção não ser full time. Então, o momento foi propício para a implementação e disponibilização total do trabalho em casa, pois era a alternativa mais viável devido às medidas de isolamento social”, explica.

Neste contexto, a empresa se preparou para que todas as pessoas do quadro colaborativo trabalhassem remotamente e, desde então, vem apresentando resultados contundentes, que vão além das projeções de faturamento. “Inicialmente, a nossa meta principal era manter todos os colaboradores. Porém, durante a quarentena, contratamos 16 pessoas e hoje a empresa soma 100. Outro ponto é que tínhamos dificuldade em contratar profissionais de outros estados, quando o formato era presencial, no entanto, devido ao home office, 31% dessas contratações recentes são de fora”, diz Germano.

Além das medidas que potencializaram a agilidade na entrega de demandas, o sincronismo com a necessidade de reinvenção dos clientes, na migração do modelo tradicional para a transformação dos negócios e modernização tecnológica no desenvolvimento de produtos foram determinantes para os resultados da empresa neste período.

“Conforme os projetos de transformação digital se tornaram prioridade para que os clientes garantissem a sobrevivência financeira, agilizamos o suporte para viabilizar recursos tecnológicos e infraestrutura adequada. Essa combinação ajudou a Lambda3 a completar 10 anos no mercado em meio a um cenário econômico caótico no País, mesmo com diversas empresas fechando as portas ou demitindo funcionários por conta da crise”, finaliza Victor Hugo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui