Mais

    Especialistas comentam sobre o vazamento de dados cadastrais informado pelo Banco Central

    Publicidade

    No começo do ano, o Banco Central (Bacen) anunciou publicamente o vazamento de mais de 160 mil chaves Pix que estavam cadastradas em seu banco de dados. Na ocasião, dirigentes do órgão atribuíram o vazamento a falhas pontuais nos sistemas de pagamento e informaram que apenas dados cadastrais foram expostos e que eles não poderiam ser usados para movimentar contas e recursos. A autarquia afirmou ainda que todas as vítimas, que tiveram os dados indevidamente liberados, seriam notificadas por meio de ligações ou mensagens de texto.

    Segundo o especialista na implementação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), Dr. Leonardo Resende, a legislação elucida o direito dos titulares, das boas práticas e da  governança de dados, trazidos especialmente nos artigos 18 e 50 da Lei, para que o vazamento de dados se torne cada vez mais distante da realidade de empresas e de organizações. Um dos alertas que merece destaque é que a nova lei traz à luz requisitos e diretrizes de governança para que sejam inibidos os incidentes e, caso ocorram, que esses sejam tratados e mitigados. “O recorrente vazamento de dados pessoais reforça a necessidade das empresas investirem na adequação e implementação mais eficientes no que tange à privacidade e segurança de dados”, ressaltou o especialista.

    Publicidade

    Em setembro do ano passado, o Banco Central e o Banco do Estado de Sergipe (Banese) já tinham comunicado um incidente de natureza semelhante em que 395 mil chaves Pix foram vazadas, revelando nome, CPF e outras informações técnicas dos usuários. De acordo com o Bacen, o vazamento mais recente ocorreu entre os dias 3 e 5 de dezembro, mas só foi divulgado para a imprensa nacional no dia 21 de janeiro, quase 50 dias depois; o que suscita um olhar mais atento por parte da ANPD – Autoridade Nacional de Proteção de Dados.

    A expert em Gestão e Adequação da LGPD, Gleicianne Fernandes, ressalta que o vazamento rotineiro de dados, além de manchar a imagem e a reputação da empresa, implica em punições severas conforme o artigo 42 da Lei Geral de Proteção de Dados. “Se há dados sendo armazenados, sempre haverá a possibilidade de que ocorra um vazamento. Dito isso, a questão central não é se essas informações irão vazar ou não, mas, sim, o quão rápido uma empresa irá agir para mitigar os danos dessa exposição indevida”, pontua Gleicianne.

    Publicidade

    Artigos recentes

    Notícias Relacionadas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui