O isolamento social mudou a forma de consumo dos brasileiros. Mais de dois terços (67%) dos consumidores pretende manter as compras digitais como o “novo normal” pós isolamento social e mais da metade (52%) planeja aumentar a compra de mantimentos online e incorporar esse hábito de consumo. Estas são algumas das conclusões de um estudo recente feito pela Criteo, empresa global de soluções de tecnologia para publicidade. Realizar compras online e pedir refeições por serviços de delivery estão entre os principais comportamentos adotados pelos brasileiros durante a pandemia do coronavírus.

O estudo, correspondente ao comportamento de consumidores nas duas últimas semanas de maio apontou que para os brasileiros, o isolamento social redefiniu os hábitos de consumo pessoal e expectativas a longo prazo.

No Brasil, alguns shoppings e centros comerciais iniciaram suas primeiras fases de reabertura dos serviços considerados não essenciais, mas seguindo as devidas restrições, pois o país ainda enfrenta o avanço de casos da doença em ritmo acelerado. O estudo mostra que uma grande parcela dos consumidores irão demorar para frequentar lojas físicas. Cerca de 4 entre 10 brasileiros estão prontos para voltar aos shoppings daqui a 2 meses. 16% afirma que só voltará aos estabelecimentos comerciais depois de passados mais de 9 meses.

A pesquisa também revela que a velocidade de entrega nas compras online é o item mais importante considerado pelos consumidores ao fazerem suas compras online, com 62% dos votos. Diante disso, a Manhattan Associates, líder em soluções de tecnologia para supply chain e comércio omnichannel, anuncia uma série de inovações que ajudarão  os varejistas a ganhar a agilidade necessária para obter sucesso com seus clientes nesse ‘novo normal’.

Confira 3 dicas dos especialistas da empresa para obter sucesso em seu negócio online:

  • Transforme todo o inventário em um ativo

Para ajudar a melhorar a integridade do inventário de uma loja, é necessário realizar uma contagem de ciclos, auditorias aprimoradas de inventário e transferências iniciadas pela loja. Obviamente, quando você sabe qual inventário possui e onde está localizado, é muito mais fácil vender.

Agora a coleta na calçada é um recurso possível de ser realizado por aplicativos. O fechamento de lojas ou as preocupações com a saúde do cliente não precisam mais atrapalhar uma venda. A tecnologia orquestra todo o processo na calçada. O app envia uma mensagem para o cliente quando um pedido está pronto para a retirada. O cliente indica quando chegou e onde está estacionado, e a entrega é realizada com facilidade e segurança. A velocidade da inovação e da mudança resultam em adaptabilidade omnichannel, levando a um melhor atendimento ao cliente e um aumento das vendas.

  • Adapte-se ao novo engajamento no novo normal

Pontos de venda estão sendo transformados digitalmente, para ajudar as empresas a se envolverem com os clientes a cada passo de sua jornada – e saber exatamente o que eles estão procurando. Agora, os varejistas podem se comunicar diretamente com os consumidores por e-mail ou texto – nos termos dos clientes – sem sair do aplicativo. Os membros da equipe e os consumidores podem visualizar e trocar catálogos. Os clientes também podem agendar suas visita às lojas, , aumentando ainda mais seu valor .

  • Enfrente os desafios

Os efeitos do COVID-19 irão repercutir no varejo nos próximos anos. Mas uma certeza é que as empresas que podem se adaptar às mudanças nessas circunstâncias e oferecer maiores experiências aos clientes, são as mais bem posicionadas para ter sucesso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui