Mais

    Lula e Bolsonaro: como o mercado vê o resultado do primeiro turno

    Publicidade

    Após o primeiro turno das eleições, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) irão disputar o segundo turno das eleições. Com 98,7 % das urnas, Lula ficou à frente no primeiro turno com 48,13% dos votos e Bolsonaro, 43,45%.

    Como o mercado financeiro vê esse resultado no primeiro turno? Dá para esperar ainda mais volatilidade ou o cenário já era precificado?

    Publicidade

    Pedro Menin, sócio-fundador da Quantzed

    O governo atual conseguiu eleger vários senadores e está liderando em vários estados nos cargos de governador. Isso ainda deixa a direita com bastante força no congresso. Se Lula ganhar, terá uma oposição ferrenha. Se Bolsonaro ganhar, tende a conseguir governar com menos dificuldade.

    Lula levou no Nordeste com folga e foi essa a região responsável pela virada no placar. Aliados do Bolsonaro levaram com muito mais folga do que ele em estados vencedores para o governo. Isso mostra que ainda há uma rejeição forte à pessoa do Bolsonaro, que neste segundo turno será forçado a adotar discursos mais amenos, talvez até com alguma autocrítica. Mais uma vez, como em 2014, o estado que decidiu foi Minas Gerais. Zema, eleito por lá no 1o turno, deve apoiar Bolsonaro e, portanto, o cenário fica em aberto até o segundo turno.

    O mercado deve reagir com bastante volatilidade a cada pesquisa e debate deste segundo turno. E ficar de olho nos próximos passos de Lula. Não sendo eleito no primeiro turno, o ex-presidente precisa conquistar votos e se aproximar do centro. E para isso, deverá revelar mais pontos do seu plano de governo, até então quase que secreto, e nomear um possível ministro da Economia. São esses os grandes medos do mercado até a votação final: a incerteza e o desconhecimento da equipe de ministros de Lula.

    Publicidade

    O segundo turno está em aberto. Embora Lula tenha levado o primeiro turno com pouco mais de 4 milhões de votos, é importante notar que mais de 30 milhões de pessoas não votaram e outras 5 milhões votaram em branco ou nulo.

    Alguns institutos de pesquisa devem perder credibilidade neste segundo turno, mas é muito difícil acreditar que perderão seu poder de influência. O mercado vai reagir a essas pesquisas ao longo de outubro, mas muito mais aos debates e principalmente reagirá às manifestações de apoios dos senadores, governadores e deputados já eleitos.

    Rodrigo Cohen, analista de investimentos e co-fundador da Escola de Investimentos

    Para mim, o mercado já precificava uma vitória do Lula. Diversos players me confidenciaram que era certa a vitória do Lula, talvez já no primeiro turno. Então não acho que isso mude alguma coisa. Com o Bolsonaro mostrando força, essa semana promete. Bolsa deve ficar bem volátil.

    Todo cenário de incerteza, ainda mais indo para o segundo turno, traz instabilidades e muitas vezes queda na bolsa. Então o mercado não deve se animar na abertura de segunda-feira.

    O cenário com Lula à frente no primeiro turno já estava precificado. Qualquer coisa diferente trará grande volatilidade na minha visão.

    Pra mim, esses resultados trouxeram mais força para o Bolsonaro que era tido como derrotado já no primeiro turno em diversas pesquisas.

    Publicidade

    Artigos recentes

    Notícias Relacionadas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui