sábado , 13 abril 2024
Ínicio Noticias Destaque Nubank: como avaliar a maturidade das startups?
Destaque

Nubank: como avaliar a maturidade das startups?

1.2k
Compartilhe

Por Dane Avanzi

Que o comportamento do ser humano está passando por intensas transformações em vários âmbitos, ninguém duvida. Nesse contexto, praticamente todos os mercados foram impactados e o advento da pandemia somente acelerou a velocidade dessas mudanças, que já era vertiginosa.

No passado, a disputa entre Uber e taxistas em muitas capitais do mundo quebrou monopólios e ofereceu ao cidadão maior liberdade de escolha e melhores serviços. O Uber é um exemplo clássico de startup, que identificou oportunidades de melhoria de um determinado serviço e conseguiu “inventar” um jeito mais prático, seguro e econômico das pessoas acessarem o serviço.

Penso que o crescimento explosivo de uma startup, que do dia para a noite capta o aporte milionário de conglomerados econômicos e, em poucos anos passam a valer bilhões de dólares, pode esconder fragilidades de uma estrutura que cresce muito rápido sem passar por um tempo de maturação.

A falha do Nubank que permitiu o vazamento de dados pessoais de inúmeros clientes nos revela isso. Se o banco operasse na Europa e Estados Unidos, onde a Lei Geral de Proteção de Dados já está em vigor e a cultura do Estado de proteção e respeito ao cidadão é mais efetiva, o desfecho da história seria outro.

O sistema financeiro internacional teve sua semente nos idos de 1700, na alta idade média na Europa, sendo a Suíça e a Holanda os países mais proeminentes na época. Para facilitar e evitar assaltos às carruagems de metais preciosos que transportavam riquezas, criaram se mecanismos de câmbio, hoje conhecidos como duplicatas. Na época, eram letras de câmbio.

A letra de câmbio permitiu que os bancos não precisassem movimentar grandes quantidades de valores com frequência, e seus clientes também. Com o passar do tempo, outros títulos cambiais surgiram, um deles hoje em declínio, o cheque, foi amplamente utilizado.

Hoje, a ameaça aos bancos e clientes não se esconde atrás de arbustos para atacar cocheiros das carruagens bancárias. A arma utilizada pelos cibercriminosos, bandidos modernos, é a informação. Por isso, eventos como este do Nubank revelam riscos que estamos expostos e sequer imaginamos.

Concluindo, o sistema financeiro internacional deve também ser desafiado pelas startups de tecnologia, para que o sistema evolua e proporcione um melhor serviço aos consumidores, sem negligenciar a experiência e a cultura que os bancos tradicionais construíram ao longo de quase três séculos de serviços as nações, às empresas e ao cidadão comum.

Dane Avanzi é advogado, empresário de telecomunicações e diretor do Grupo Avanzi.

Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo Relacionado

Centro-Oeste: líder no setor de lavanderias self-service mira expansão na região

O mercado de franquias no Brasil segue em evolução. De acordo com...

Faz apostas? Veja como declarar ganhos no Imposto de Renda

Com o crescente interesse em apostas e jogos de loterias, como Lotofácil...

Vacinas que protegem pacientes com câncer

O boletim InfoGripe, divulgado no final de março pela Fundação Oswaldo Cruz...

ClickOferta: passagens promocionais crescem mais de 300% no último trimestre

 A ClickBus, maior plataforma de soluções para viajantes e viações do setor...