Mais

    O ano do Bitcoin e as perspectivas para as criptomoedas em 2022

    Publicidade

    O ano de 2021 foi muito bom para o Bitcoin e as criptomoedas, segundo pesquisa realizada pela Hashdex, uma gestora de criptomoedas, o crescimento do número de investidores em criptomoedas foi de 938% em 2021. O principal ativo bateu mais um recorde, chegando a mais de R$ 365 mil. Além disso, o mercado conta com mais de dez mil criptomoedas e tokens no mundo todo, atingindo cada dia mais novos usuários e investidores.

    Para Ricardo Dantas, CO-CEO da Foxbit, “Estamos entrando em uma fase nova de entendimento e aceitação que as criptomoedas vieram para ficar. A entrada de grandes instituições, como NFTs e DEFI, além de novos modelos de negócio, como jogos e até as meme coins, fizeram estes recordes acontecer. Além de tudo isso, o momento econômico mundial tem consolidado as criptos como uma nova maneira de investir”, resume ele.

    Publicidade

    Segundo Rafael Izidoro, CEO da Rispar, “Além dos recordes de preço, o ativo contou com a entrada em massa de investidores institucionais, a adoção como moeda de curso legal em El Salvador, a descentralização da rede devido ao banimento da mineração na China, e maior educação sobre o setor, que resultou em uma percepção mais otimista da população sobre as criptomoedas”.

    Para Vinicius Frias, CEO do Alter e Diretor do Méliuz, foi um ano bastante importante para a maturidade do mercado. O bitcoin atingiu US$1 trilhão de valor de mercado durante este ano e isso é um feito incrível. “Atribuo esse feito a dois pontos. O primeiro foi a expansão monetária realizada pelos governos mundo afora, iniciadas em 2020 e intensificadas durante 2021, em especial o dos Estados Unidos. O bitcoin é um ativo de defesa a isso. O segundo ponto foi uma maior institucionalização, com diversos eventos marcantes, como as aquisições de bitcoin realizadas pela MicroStrategy – que desencadeou outras empresas relevantes a seguirem caminho similar, como a Tesla – , o IPO da Coinbase, lançamento de ETFs, dentre outros”.

    Entre as novidades do ano ficou marcado o mercado das NFTs, os jogos com recompensas em criptomoedas, o Metaverso e a utilização do blockchain para a grande massa.

    Perspectiva para 2022

    A perspectiva para o próximo ano é muito animadora e, se depender do mercado brasileiro, as criptomoedas vão continuar sendo as “queridinhas” dos investidores. Segundo pesquisa realizada pela Crypto.com, 59% dos brasileiros pretendem comprar criptomoedas pela primeira vez em 2022 e 37% desejam possuir um NFT (token não fungível).

    Publicidade

    Segundo o especialista da Foxbit, “Países estão se preparando para regulações das criptomoedas, o que vai movimentar o mercado. Aqui no Brasil, a criação das moedas digitais pelo Banco Central e a popularização das criptomoedas são novidades para se ficar de olho em 2022”.

    Para Dantas, o Bitcoin deve sempre ser pensado como uma defesa anti inflação. “No longo prazo ele tende a subir, mas o mercado já mostrou que tem muita volatilidade no caminho. Acredito ainda que pode apresentar um valor mais alto em 2022, porém historicamente, existem grandes correções para este período pós-halving. Além disso, vejo além do Bitcoin, as criptomoedas Ethereum, Solana, AVAX e DOT para ficar de olho no ano que vem”, finaliza o CO-CEO.

    Já para o próximo ano, Rafael analisa um mercado promissor. “Com o mercado de alta que vivemos em 2021 e a forte adoção pela população geral, grandes players institucionais e até Estados, a perspectiva é de ainda maior popularização do Bitcoin como reserva de valor, e quem sabe o tão esperado marco de US$100.000 (R$573.830)”.

     Vinicius acredita que 2022 vai ser um ano de uma maior maturidade para o mercado de NFTs, jogos play-to-earn e o badalado ‘metaverso’. “Essas são todas apostas e novidades neste mercado que é um vulcão em erupção. É bom lembrar que tudo depende do bitcoin continuar sua tendência e a expectativa de longo prazo é de alta. Para o investidor brasileiro que não quer ficar totalmente vulnerável aos acontecimentos locais, se exponha ao Bitcoin, entenda seus fundamentos e tire parte do país do seu dinheiro”.

    Mercado de Mineração

    A mineração do Bitcoin em 2021 foi principalmente marcada pelo banimento da mineração em terras chinesas e a posterior realocação das operações de mineração e a migração dessa malha computacional para solo americano. Para Bernardo Schucman, vice-presidente sênior de operações de data center da CleanSpark, esse ano foi muito importante para a democratização da mineração que com a saída da China ficou possível e competitiva em “quase” todos os países do mundo uma vez que a China “Devido ao crescimento não sustentável da sua indústria de mineração vinha sendo um fator de desequilíbrio para o mercado forçando mineradores de Bitcoin em busca de competitividade não reforçarem práticas esg e também fomentava a crescente concentração da força computacional do Bitcoin na China em muitos casos utilizando energia fóssil.

    Esse também foi o ano da fundação das maiores empresas de mineração do mundo e muitas nos Estados Unidos.Muitas dessas empresas são empresas listadas em bolsas de valores e tem muito acesso a capital o que também aumentou o volume de capital investido na infraestrutura do Bitcoin”.

    Mercado de crédito com garantia em Bitcoin

    De acordo com a Rispar, a procura pela modalidade de crédito em reais com bitcoin como garantia aumentou mais de 312% só nos últimos 6 meses. Isso mostra o crescimento da modalidade, segundo Leonardo Bianconi, CPO da Rispar tiveram dois pontos fundamentais para esse crescimento, “Primeiro, a maturidade do mercado – investidores estão cada vez mais cientes do valor intrínseco do bitcoin e seu potencial de longo prazo, por isso, manter o ativo tem se mostrado a melhor estratégia”.

    “Em segundo lugar, a fragilidade da economia tradicional mais exposta nos últimos dois anos, e alta inflação no Brasil e no mundo, que tem levado o público geral em busca de alternativas de investimento e uma reserva de valor mais efetiva para superar esse obstáculo; para ambas as necessidades, o bitcoin tem se mostrado a melhor opção”, revela o especialista.

    Para o próximo ano, a perspectiva é que ele seja um ano de muita importância para o mercado. “Estamos preparando muitas novidades e novos produtos para continuar inovando e atender à demanda crescente pelo Crédito com Garantia Cripto”, finaliza o CEO.

    Publicidade

    Artigos recentes

    Notícias Relacionadas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui