O profissional do futuro: o desafio das empresas em atrair e reter talentos

Publicidade

A pandemia que assola o mundo faz com que o futuro do trabalho já não caiba nas baias, nem se importe com ostensivos escritórios

As soft skills, características comportamentais de personalidade que potencializam o conhecimento “técnico”, principalmente no que tange ao tão almejado pensar fora da caixinha, refletem uma tendência do futuro do trabalho. Nesse contexto, a colaboração é a skill mais valorizada pelos RHs das grandes empresas, seguida pela habilidade de comunicação e resiliência. Mas os altos salários e pacotes de benefícios já não são suficientes para esses profissionais. Eles querem mais. Querem um propósito que os encante e lhes dê sentido ao trabalho.

Entender esse propósito é enxergar a sinergia entre os objetivos pessoais e os da organização – uma compreensão já percebida como fundamental na atração e retenção desses colaboradores. Outro desafio para o RH é a estrutura organizacional sedimentada na ancestralidade hierárquica, formal e horizontal, comum nas grandes marcas, enquanto os profissionais colaborativos têm visto na cultura do coworking as condições ideias para se desenvolverem como profissionais e seres humanos.

“O futuro do trabalho já não cabe nas baias nem se importa com ostensivos escritórios. A tecnologia digital redimensionou as relações entre empregado e empregador quando abriu possibilidades como o trabalho remoto”, explica Melina Alves, CEO da DUXCoworkers, empresa que desenvolve soluções a partir da inteligência coletiva centrada no usuário. “As grandes marcas já perceberam que esses aspectos são estratégicos e não caprichos de profissionais de destaque no mercado. O fato é que o ambiente de trabalho antes da pandemia global já era criativamente claustrofóbico, avessos à inovação”, complementa a executiva que, há uma década, oferece aos colaboradores uma estrutura de trabalho baseada no coworking e na experiência do usuário.

Publicidade

“Os colaboradores devem ser vistos como usuários e tudo o que a empresa oferece no mercado é o que deve praticar internamente, em uma consolidação das relações trabalhistas e comerciais pautadas pelo ganha-ganha. Todos devem ser felizes, realizar sonhos e se sentirem capazes”, explica Melina. “Se alguém ganhar muito mais do que o outro é porque algo de ser revisto no processo. Se os produtos e serviços devem ter foco em seus consumidores, os processos devem se preocupar com os profissionais que deles participam. E para que esse ecossistema se mantenha consistente, ele deve ser permeável às mudanças”, finaliza.

Publicidade

Artigos recentes

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui