O que os adolescentes de hoje pensam para o futuro?

Publicidade

Os jovens dessa geração estão bastante pessimistas sobre o futuro do país. É isso que mostra um estudo da consultoria Ipsos para a Bill & Melinda Gates Foundation, que aponta que 38% das crianças e jovens brasileiros não têm uma boa perspectiva sobre o futuro do Brasil. 

O levantamento entrevistou crianças e jovens entre 12 e 24 anos sobre as expectativas para o futuro, não pensando apenas no país, mas no mundo como um todo. E o que mais preocupa os jovens brasileiros, segundo a pesquisa, é o trio educação, saúde e segurança. 

Com o mercado bastante fechado em relação a postos de trabalho, com o endurecimento das regras da aposentadoria pública, os jovens brasileiros precisam buscar formas de empreender, a melhor previdência privada e outras formas para financiar os seus sonhos e vislumbrar o seu futuro profissional. 

Pandemia de COVID-19 agravou a situação do desemprego de jovens no país 

Publicidade

Em setembro de 2020, o Brasil estava começando a ter noção do que seria uma segunda onda de contaminação do coronavírus, a taxa de desemprego no país já ultrapassava a casa dos 13%. Deste percentual, quase 30% são jovens que estão começando uma carreira profissional. 

Segundo a Folha de São Paulo, no mesmo período o índice de desocupação de jovens no país era cerca de 26%, devido também a uma forte influência da pandemia. No 1° trimestre de 2021, a taxa de desemprego bateu um novo recorde, alcançando o percentual de 14,7%. 

O estudo da OIT (Organização Internacional do Trabalho) sobre o impacto da pandemia no mercado de trabalho global mostra que um a cada seis jovens perderam o emprego depois do início da crise causada pelo coronavírus. A pesquisa também mostra que dentre os que mantiveram os seus empregados, 23% tiveram a jornada reduzida. 

Outro fator que tende a ser ressaltado é que a alta taxa de desocupação dos jovens no Brasil não é algo fora do comum, já que em 2019 três em cada quatro jovens trabalhavam informalmente. 

Será que a próxima geração realmente está perdida? 

Analisando o cenário montado pela pesquisa da OIT, muitos se questionam sobre a possibilidade de os jovens da atualidade fazerem parte de uma “geração perdida”. De acordo com a OIT, os jovens são o grupo mais afetado pela pandemia de coronavírus. 

Segundo a organização, os empregos possíveis para esta geração estão sendo destruídos e as oportunidades de educação não se mostram suficientes para ajudar os jovens a apostarem em uma nova carreira, alimentando uma perspectiva para o futuro. 

O diretor da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), Stefano Scarpetta, disse em entrevista à BBC News Brasil, que há uma preocupação que os jovens dessa geração fiquem reféns de cargos precários, tendo apenas subempregos como opções para sobreviver. 

Alguns especialistas são mais otimistas, como o VP de Educação Continuada da Ânima Educação, Guilherme Soárez, em entrevista ao Na Prática, que enxerga a possibilidade de que os jovens tenham a chance de criar um novo ambiente, alimentando novas relações de trabalho no pós-pandemia. 

O que pode mudar a expectativa dos jovens em relação ao futuro Brasil? 

O cenário para o futuro parece ser bastante negativo, mas em meio a crise é fundamental pensar em possibilidades e oportunidades que possam gerar uma nova expectativa em relação ao futuro. O primeiro ponto é notar como os jovens dessa geração buscam alternativas para superar as dificuldades, como partir para o empreendedorismo. 

Atualmente, o Brasil atingiu o maior número de empreendedores no século. Segundo a pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor) aponta que 25% da população adulta no Brasil estão envolvidas em negócios recentes no mercado ou na abertura de novos negócios. 

Segundo especialistas, o principal ponto para que a geração não seja perdida é que os jovens se mantenham estudando. Por isso, o ponto primordial é o investimento do governo em educação, de preferência com vínculos com o mercado de trabalho. 

Esse será outro grande desafio para o futuro dos jovens brasileiros. De acordo com a pesquisa “Juventudes e a pandemia do coronavírus” realizada pelo Conjuve (Conselho Nacional da Juventude) aponta que 28% dos jovens entre 15 e 29 anos pensam em abandonar os estudos, saído de escolas e universidades no pós-pandemia. 

Em resumo, o caminho para vencer as dificuldades de um mercado de trabalho em crise e sem tanta perspectiva é buscar conhecimento. Investir em educação é a salvação dessa geração para gerar novas oportunidades de trabalho e fomentar o empreendedorismo no mercado brasileiro. 

Como percebemos, o jovem brasileiro não está tão animado com o seu futuro no pós-pandemia. Porém, ainda há a expectativa de que essa situação melhore ou, pelo menos, seja menos impactante no mercado brasileiro. O que não falta são caminhos para que essa situação seja revertida e que haja uma real expectativa positiva no futuro dos jovens brasileiros. 

 

Publicidade

Artigos recentes

Publicidade

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui