Open Banking: quais os riscos de compartilhar os dados

Publicidade

O Open Banking começou a ser estruturado no Brasil em 2019 e sua implementação aconteceu agora em 2021. Com a novidade muitas dúvidas sobre a segurança de dados surgiram, já que com a nova solução será possível compartilhar informações cadastrais e transacionais de clientes entre bancos. Para o professor e coordenador da pós-graduação em Cyber Threat Intelligence no Instituto DARYUS de Ensino Superior Paulista (IDESP), Thiago Bordini, o método de compartilhamento de dados é seguro. “O principal ponto de vulnerabilidade e que precisamos de um pouco mais de atenção é saber como as instituições bancárias vão tratar essas informações. Onde armazenarão e como farão a segurança deste método de transmissão de dados”, comenta.

O especialista alerta ainda para o risco de vazamentos de dados e o compartilhamento indevido dessas informações. “Serão abertas novas portas de comunicação no mundo digital e toda vez que ocorre alguma inovação, ela acaba sendo explorada pelos hackers”, explica Bordini.

Do ponto de vista tecnológico, o grande desafio para as instituições financeiras é estruturar os dados e principalmente as autorizações dos clientes. “O consumidor terá a possibilidade de compartilhar um cadastro completo ou somente uma determinada informação. Esse compartilhamento granular de dado talvez seja um dos grandes pontos de atenção para o processo de integração das instituições”, diz o especialista.

Publicidade

Em relação a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), os riscos de violação são baixos. Segundo o especialista, o compartilhamento de dados só ocorre mediante a autorização do cliente.

Com o objetivo de oferecer ao consumidor acesso cada vez mais a produtos e serviços de instituições financeiras e Fintechs, o Open Banking iniciou a segunda fase em agosto. Nesta etapa, foi possível compartilhar dados de clientes relacionados a serviços bancários, como contas e cartões de crédito. A terceira está prevista para o dia 29 de outubro. As instituições farão a integração de serviços, com início de transações de pagamentos, começando pelo Pix. Os clientes também terão autonomia para aceitar ofertas de crédito, por exemplo.

Publicidade

Artigos recentes

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui