Pessoas optam pela orientação de Youtubers para solicitar visto de Portugal

Publicidade

Morar em outro país já é um desejo de muitos brasileiros e, com alguns passos simples, é possível que esses cidadãos consigam facilmente um visto para viver em Portugal, nação que recebe muitos imigrantes vindos do Brasil. Ainda assim, é necessário se atentar para diferenças culturais e os métodos viáveis para a imigração.

Cristina Maya, criadora de conteúdo e youtuber do canal Vamu Ver!, apresenta diversas dicas para as pessoas que estão buscando a oportunidade de viver no país europeu. “Desde o começo do meu processo imigratório eu expliquei como realizei os procedimentos do visto e quais eram os meios legais de fazer essa mudança. Atualmente esse é um dos principais temas do canal e é do interesse de milhares de pessoas”, ela relata.

Uma das pessoas que seguiu os conselhos e informações de Cristina foi Carlos Hugo, que morava no Rio de Janeiro e decidiu se mudar para Portugal em 2017. A chegada no país aconteceu em janeiro de 2019. Carlos relata que a ideia de imigrar começou em 2017, quando o cunhado viajou para Portugal e sugeriu a mudança. “Nós já tínhamos pretensão de sair do Brasil. Num primeiro momento buscamos o visto canadense, que não deu certo. Com a sugestão do meu cunhado Portugal pareceu mais acessível e com boas chances de dar certo”, ele conta.

Publicidade

A principal razão para sair do Brasil, segundo Carlos, foi o aumento da criminalidade e violência na cidade do Rio de Janeiro, especialmente pelo fato de ser um ex-policial militar. Ele explica que em diversos momentos se deparou com situações complicadas, como assaltos e ameaças de morte.

O aposentado conta que para conseguir o visto de residência em Portugal bastou começar a assistir os vídeos do canal Vamu Ver, com a ajuda da Cristina. “Não foi necessário contratar nenhum tipo de auxílio jurídico para seguir com o processo imigratório. Inclusive, assistindo os vídeos com atenção conseguimos organizar todos os procedimentos, como a separação de documentos, o contato com o consulado, tudo de forma bem simples”, ele explica.

A também carioca Débora Abelha seguiu os mesmos passos e em maio de 2019 partiu para Portugal junto a sua família com o visto D7. “Uma das minhas maiores dúvidas era se iria me adaptar ao novo país, mas lidei bem com a mudança. Meus avós eram portugueses e a qualidade de vida aqui é muito superior ao Brasil”, conta.

Atualmente Débora trabalha como artesã e, com a flexibilização pós pandemia, pretende encontrar um novo trabalho para sair da zona de conforto.

Cristina ressalta que o papel do canal também é oferecer essas informações de forma prática. “Quando há interesse em fazer o processo da forma correta, os solicitantes evitam a contratação de terceiros e de indivíduos que querem apenas trapacear ou ganhar dinheiro em cima do sonho dessas pessoas”, finaliza.

Publicidade

Artigos recentes

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui