Pós-Covid, comércio online deve permanecer aquecido em muitas empresas

Publicidade

Vendas online registram queda com reabertura gradual de comércio, mas prática será incentivada por muitos empresários

No setor de bebidas, por exemplo, a MMV Importadora adaptou suas vendas de vinhos para e-commerce depois de ter apresentado queda de 90% no faturamento. Resultado foi surpreendente e a empresa anuncia que continuará apostando forte em sua loja virtual.

Com o isolamento social provocado pela pandemia do Coronavírus, a prática do comércio online se tornou a única opção para muitas empresas manterem suas atividades. Segundo um levantamento da Nuvemshop, houve alta de 140% nas vendas em lojas virtuais em março.

Contudo, este índice deve recuar drasticamente nos próximos meses com a reabertura gradativa do comércio presencial, que já vem sendo realizada em todo o território nacional. E é justamente o que apontam os números da Ebit|Nielsen: itens de giro rápido (FMCG) registraram retração após dia 14 de Abril de 26,9%.

Publicidade

Apesar da queda brusca esperada, muitos comerciantes que tiveram a experiência do online pretendem manter e inclusive incentivar o e-commerce como uma das práticas comerciais no cenário pós-covid. Este é o caso, por exemplo, a MMV, importadora de vinhos com sede em Curitiba (PR), que se viu obrigada a implementar novas medidas para garantir que os negócios continuassem funcionando. Afetada pelo fechamento de restaurantes e demais estabelecimentos gastronômicos pelo país, a empresa apostou fortemente no e-commerce para impulsionar as vendas.

Leia Também: Zoho disponibiliza softwares para auxiliar empresas durante à pandemia

Para isso, reorganizou a equipe e antecipou o lançamento de sua loja online, que até então estava programada para ser colocada em prática somente no ano que vem. “A maior parte dos nossos clientes são restaurantes e como muitos deles estão fechados, fomos afetados diretamente. Fechamos março com uma taxa de faturamento 90% inferior à média esperada. Por conta disso, resolvemos adiantar nossa entrada no comércio online, prevista inicialmente para o primeiro semestre de 2021”, destaca Jonas Martins, gerente comercial da MMV.

Leia Também: Unicef alerta sobre exposição de menores na internet durante pandemia e especialista dá dicas de segurança digital

Segundo Jonas, a melhora nas vendas em abril foi de 30% graças à loja virtual e assim a prática deve não somente ser mantida como também impulsionada. “A MMV atende originalmente adegas, lojas, restaurantes e hotéis, com sua equipe visitando e inserindo os produtos em cartas de vinhos destes locais, e que esta prática continuará. Já o e-commerce será destinado ao público final que não tem acesso a lojas e restaurantes. Não seremos concorrentes dos nossos clientes, mas queremos gerar mais negócios a eles evidenciando ainda mais os nossos produtos”, enfatiza o gerente comercial.

A estimativa é que em 12 meses a MMV possa contar com 50% de suas vendas vindas do universo online.

Publicidade

Artigos recentes

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui