Mais

    Reajuste do INSS: Como fica a margem do consignado?

    Publicidade

    A partir deste mês, os cerca de 37 milhões de brasileiros beneficiários do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) passarão a receber o pagamento com um novo valor. Isso, porque o governo federal oficializou, em 11 de janeiro, o reajuste de 5,93% para quem é beneficiado com a previdência do INSS com valor acima do salário-mínimo.

    De acordo com a Portaria 26/2023, o valor no piso nacional passará a ser R$ 1.302,00, cujos beneficiários com o mínimo começarão a receber o reajuste em janeiro. Já para aqueles que recebem acima do piso do INSS o calendário de pagamento começa em fevereiro.

    Publicidade

    Para quem deseja começar o ano sem dívidas e contratar um empréstimo, o consignado é uma das alternativas mais atrativas devido aos juros baixos. E, para quem recebe o piso do INSS, esse reajuste do governo gerou uma margem adicional de R$ 90,00 nessa modalidade. “Na prática, isso quer dizer que quem estava com margem consignável negativa, sem possibilidade de novos empréstimos, terá esse valor extra para utilizar; e aqueles que tinham margem terão o acréscimo ao limite anterior, e ainda mais possibilidades”, explica Gustavo Gorenstein, CEO da BX Blue, marketplace de crédito consignado online.

    O executivo complementa que, para quem recebe acima do piso nacional, mas passou a ser beneficiário após janeiro de 2022, o aumento da margem para empréstimo consignado dependerá do índice de reajuste aplicável.

    A contratação do empréstimo consignado está disponível para aposentados e pensionistas do INSS, para os servidores públicos civis e militares, e para trabalhadores da iniciativa privada, desde que as empregadoras possuam convênio com instituições financeiras que ofereçam o produto.

    Publicidade

    Artigos recentes

    Notícias Relacionadas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui