sábado , 22 junho 2024
Ínicio Noticias Destaque SEM ENTRADA!! FINANCIAMENTO MCMV 2024 – Minha casa minha vida
Destaque

SEM ENTRADA!! FINANCIAMENTO MCMV 2024 – Minha casa minha vida

160

Neste artigo, será abordada a questão do financiamento imobiliário e a possibilidade de adquirir um imóvel 100% financiado. Para isso, serão apresentados diversos aspectos do processo, desde a porcentagem financiada pelo banco até as condições de entrada facilitada pela construtora.

Os corretores de imóveis Rogério e sua esposa Lue, com vasta experiência no mercado imobiliário de São Paulo, Campinas, Catanduva e Rio Preto, explicarão como funciona o financiamento imobiliário e quais são as opções disponíveis para quem deseja adquirir um imóvel sem dar entrada. Além disso, serão abordados temas como a avaliação do imóvel e o impacto na entrada, as estratégias de marketing imobiliário e as formas de contato com os corretores para esclarecer dúvidas e proceder com a compra de imóveis.

Principais pontos

  • O financiamento imobiliário não cobre 100% do valor do imóvel, sendo a porcentagem financiada pelo banco de 80/20 ou 90/10, dependendo da renda do comprador e do tipo de financiamento escolhido.
  • A entrada pode ser facilitada pela construtora, que pode parcelar o valor em até 90 vezes, mas é importante lembrar que isso não deixa de ser um financiamento e haverá correção de juros em cima da entrada.
  • A avaliação do imóvel pode influenciar na entrada, sendo que algumas construtoras utilizam estratégias para diminuí-la e tornar a compra do imóvel mais acessível.

Verdade ou Mito do Financiamento 100%

O vídeo apresentado pelos corretores de imóveis, Rogério e sua esposa, aborda a questão do financiamento de imóveis 100%. Eles esclarecem que, na realidade, essa modalidade de financiamento não existe, pois os bancos não financiam 100% do valor do imóvel.

De acordo com os corretores, o financiamento imobiliário mais comum é o 80/20, que significa que o banco financia 80% do valor do imóvel e o comprador precisa dar uma entrada de 20%. Em alguns casos, quando a renda é mais baixa, é possível obter subsídio para reduzir o valor da entrada.

Os corretores também explicam que, para imóveis com valores mais altos e rendas maiores, é comum o financiamento 90/10, em que o banco financia 90% do valor do imóvel e o comprador precisa dar uma entrada de 10%.

Porém, eles destacam que é possível financiar a entrada em até 90 vezes, dependendo da construtora, o que pode ajudar quem não tem dinheiro para dar uma entrada maior. Nesses casos, a entrada é financiada pela construtora e o comprador paga a dívida em parcelas ao longo do tempo.

Além disso, os corretores explicam que a avaliação do imóvel pode influenciar no valor da entrada. Algumas construtoras pedem uma avaliação maior do que o valor real do imóvel para dar descontos na entrada, o que pode reduzir o valor da entrada para o comprador.

Em resumo, os corretores afirmam que o financiamento 100% de imóveis é um mito, mas existem opções de financiamento com entrada reduzida e possibilidade de parcelamento da entrada em até 90 vezes.

Como Funciona o Financiamento Imobiliário

O financiamento imobiliário é uma opção para quem deseja adquirir um imóvel, mas não possui todo o valor necessário para a compra à vista. No entanto, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre como funciona esse tipo de financiamento.

Segundo informações de corretores de imóveis de São Paulo, Campinas, Catanduva e Rio Preto, o financiamento imobiliário não financia 100% do valor do imóvel. Na maioria dos casos, o financiamento é feito através da modalidade 80/20 ou 90/10, ou seja, o banco financia 80% ou 90% do valor do imóvel e o comprador precisa dar uma entrada de 20% ou 10%.

No caso do programa Minha Casa Minha Vida, é possível conseguir um financiamento sem entrada para imóveis novos com valor de até R$ 140.000 e renda de R$ 1.600 com dependentes. Porém, para imóveis usados, o subsídio é muito baixo e não é possível conseguir um financiamento sem entrada.

Algumas construtoras oferecem a possibilidade de parcelar a entrada em até 90 vezes, o que pode ser uma opção para quem não tem dinheiro para dar de entrada. No entanto, é importante lembrar que essa entrada parcelada também é um financiamento e terá correção de juros.

Além disso, é possível conseguir um financiamento de 90/10 através do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) ou da SAC (Sistema de Amortização Constante). Porém, é preciso ter uma renda alta ou já possuir um imóvel para conseguir esse tipo de financiamento.

É importante lembrar que a primeira parcela do financiamento é muito alta e pode levar anos para ser amortizada. Por isso, é importante avaliar bem a sua situação financeira antes de optar por um financiamento imobiliário.

Algumas construtoras utilizam a estratégia de avaliar o imóvel por um valor maior do que o real para oferecer descontos na entrada. Isso pode ajudar a diminuir o valor da entrada, mas é preciso avaliar se essa estratégia é vantajosa a longo prazo.

Em resumo, o financiamento imobiliário é uma opção para quem deseja adquirir um imóvel, mas é preciso avaliar bem as condições do financiamento e a sua situação financeira antes de optar por essa modalidade de compra.

Diferença entre Imóvel Novo e Usado no Financiamento

Ao buscar um financiamento imobiliário, é comum surgirem dúvidas sobre a diferença entre imóveis novos e usados. De acordo com informações de especialistas em imóveis, a principal diferença entre os dois tipos de imóveis é a possibilidade de financiamento sem entrada.

No caso de imóveis novos, é possível financiar 100% do valor do imóvel em alguns casos, como no programa Minha Casa Minha Vida, desde que a renda do comprador seja compatível com o valor do imóvel. No entanto, em imóveis usados, a possibilidade de financiamento sem entrada é muito mais restrita, devido ao valor mais elevado e à menor disponibilidade de subsídios.

Outra diferença importante é que, em imóveis novos, é possível parcelar a entrada em até 90 vezes, o que pode facilitar a vida do comprador. No entanto, é importante lembrar que, nesses casos, haverá correção de juros sobre a entrada parcelada.

Além disso, é comum que as construtoras utilizem avaliações do imóvel mais elevadas para oferecer descontos na entrada, o que pode ajudar a reduzir o valor a ser pago pelo comprador.

Já em imóveis usados, a entrada geralmente é obrigatória e pode variar de 10% a 20% do valor do imóvel. Nesses casos, é importante que o comprador tenha uma reserva financeira para arcar com essa despesa.

Em resumo, a possibilidade de financiamento sem entrada é uma das principais diferenças entre imóveis novos e usados no financiamento imobiliário. No entanto, é importante avaliar cada caso individualmente e buscar a orientação de um especialista em imóveis para fazer a escolha mais adequada às suas necessidades e possibilidades financeiras.

Condições de Financiamento para Renda Baixa

Ao comprar um imóvel, muitas pessoas buscam a possibilidade de financiamento, principalmente para aqueles que possuem uma renda baixa. No entanto, é importante entender as reais condições de financiamento para não se frustrar com expectativas irreais.

De acordo com os corretores de imóveis, Rogério e sua esposa Lue, é possível financiar um imóvel novo sem entrada, desde que a renda seja baixa e o valor do imóvel esteja dentro do programa “Minha Casa Minha Vida”. Nesse caso, o banco pode oferecer subsídio para diminuir o valor do imóvel e, assim, permitir que seja financiado sem entrada.

No entanto, para imóveis com valores mais altos e rendas maiores, é necessário dar uma entrada, que pode variar entre 10% e 20% do valor do imóvel. Mas, segundo os corretores, existem construtoras que oferecem a possibilidade de parcelar essa entrada em até 90 vezes, o que pode ser uma boa opção para aqueles que não possuem um valor alto para dar de entrada.

Além disso, é importante destacar que existem dois tipos de financiamento: o SBPE e o Minha Casa Minha Vida. No primeiro, é possível financiar até 90% do valor do imóvel, porém, é necessário ter uma renda mais alta para suportar o valor da primeira parcela, que é mais elevado. Já no segundo, é possível financiar até 80% do valor do imóvel, mas é necessário se enquadrar nas condições do programa.

Por fim, é importante lembrar que a avaliação do imóvel pode influenciar no valor da entrada. Algumas construtoras pedem uma avaliação maior do que o valor real do imóvel para oferecer descontos na entrada, o que pode ser uma boa opção para aqueles que não possuem um valor alto para dar de entrada.

Em resumo, é possível financiar um imóvel sem entrada em determinadas condições, mas é importante entender as regras e limitações de cada programa e construtora.

Entrada Facilitada pela Construtora

Muitas pessoas sonham em comprar um imóvel, mas nem sempre é fácil juntar dinheiro para dar uma entrada. Porém, há uma opção que pode ajudar a facilitar a realização desse sonho: a entrada facilitada pela construtora.

De acordo com informações de corretores de imóveis, a entrada facilitada pela construtora funciona da seguinte maneira: ao invés de dar uma entrada em dinheiro, o comprador pode financiar a entrada em parcelas pela própria construtora. Algumas construtoras chegam a oferecer parcelamento em até 90 vezes.

É importante ressaltar que mesmo com a entrada facilitada pela construtora, o financiamento do imóvel ainda terá juros e correção monetária. Além disso, é preciso ter em mente que essa opção de entrada facilitada pode não estar disponível para todos os imóveis.

No caso do programa Minha Casa Minha Vida, por exemplo, não é possível financiar 100% do valor do imóvel. O máximo que se pode financiar é 80% do valor, e em alguns casos, com subsídio do governo, é possível que a entrada seja zerada.

Portanto, é importante que o comprador faça uma análise cuidadosa da sua situação financeira e avalie se a entrada facilitada pela construtora é a melhor opção para ele. É sempre recomendável buscar informações com corretores de imóveis de confiança e comparar as opções de financiamento disponíveis no mercado.

Detalhes sobre o SBPE e SAC

Ao comprar um imóvel, é comum que as pessoas procurem por opções de financiamento. No entanto, muitas vezes surgem dúvidas sobre como funcionam esses financiamentos e quais são as opções disponíveis. Nesse sentido, é importante entender mais sobre o SBPE e SAC.

O SBPE é o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, que é voltado para a aquisição de imóveis residenciais. Nesse sistema, é possível financiar até 90% do valor do imóvel, sendo que o restante deve ser pago como entrada. É importante destacar que, para conseguir financiar 90% do valor do imóvel no SBPE, é necessário ter uma renda bastante alta, acima de R$ 8.000,00 mensais.

Já o SAC, ou Sistema de Amortização Constante, é uma opção de financiamento que permite que o valor das parcelas seja reduzido ao longo do tempo. No SAC, o valor da parcela é calculado de forma que o valor amortizado seja sempre o mesmo, enquanto os juros diminuem. Dessa forma, as primeiras parcelas são mais altas, mas o valor total do financiamento é menor.

É importante destacar que, ao contrário do que muitas pessoas pensam, não é possível financiar um imóvel 100%. Na maioria dos casos, é necessário dar uma entrada que pode variar entre 10% e 20% do valor do imóvel. No entanto, existem opções de financiamento que permitem que essa entrada seja parcelada em até 90 vezes.

Além disso, é importante lembrar que, em alguns casos, é possível obter subsídios do governo para a compra de imóveis novos. Esses subsídios podem reduzir o valor do imóvel e, consequentemente, a entrada necessária.

Por fim, é importante destacar que a avaliação do imóvel pode influenciar no valor da entrada necessária. Algumas construtoras pedem uma avaliação maior do que o valor real do imóvel para poder oferecer descontos na entrada. Dessa forma, é possível reduzir o valor da entrada, mas é importante ficar atento para não cair em armadilhas.

Em resumo, ao procurar por opções de financiamento para a compra de um imóvel, é importante entender as diferenças entre o SBPE e SAC e ficar atento às condições de cada um. Além disso, é importante lembrar que, na maioria dos casos, é necessário dar uma entrada e que a avaliação do imóvel pode influenciar no valor dessa entrada.

Avaliação do Imóvel e Impacto na Entrada

Ao considerar a possibilidade de adquirir um imóvel por meio de financiamento, é importante entender como funciona o processo e quais são as opções disponíveis. De acordo com os corretores de imóveis Rogério e Lue, que atuam em São Paulo, Campinas, Catanduva e Rio Preto, o financiamento imobiliário não costuma cobrir 100% do valor do imóvel.

Na maioria dos casos, os bancos financiam entre 80% e 90% do valor do imóvel, deixando o restante como entrada. No entanto, existem algumas opções para facilitar o pagamento da entrada. Uma delas é a possibilidade de financiar a entrada em até 90 vezes, o que pode ajudar a reduzir o impacto financeiro no momento da compra.

Outra opção é a avaliação do imóvel. Algumas construtoras utilizam uma avaliação maior do que o valor real do imóvel para oferecer descontos na entrada. Dessa forma, a entrada pode ser reduzida, tornando o financiamento mais acessível.

No entanto, é importante lembrar que o financiamento imobiliário é uma forma de empréstimo, e como tal, está sujeito a juros e correção monetária. Por isso, é fundamental avaliar cuidadosamente as condições oferecidas pelo banco e escolher a opção que melhor se adequa às suas necessidades e possibilidades financeiras.

Marketing Imobiliário e Estratégias de Anúncio

Ao anunciar imóveis, muitos corretores utilizam termos como “100% financiado” ou “sem entrada”. No entanto, é importante entender que esses termos são, na maioria das vezes, uma jogada de marketing, já que não existe financiamento de 100% do imóvel.

Normalmente, os bancos financiam de 80% a 90% do valor do imóvel, sendo que o restante deve ser pago como entrada. No entanto, existem algumas opções para parcelar essa entrada em até 90 vezes, o que pode facilitar a aquisição do imóvel.

Além disso, algumas construtoras utilizam estratégias para diminuir o valor da entrada, como pedir uma avaliação do imóvel acima do valor real, o que pode resultar em um desconto na entrada.

É importante ressaltar que essas estratégias variam de acordo com o valor do imóvel e a renda do comprador. Imóveis com valores mais altos e rendas maiores geralmente exigem uma entrada maior.

No entanto, é possível encontrar opções de imóveis na planta, onde a parcela do financiamento só começa a ser paga quando o comprador pega a chave do imóvel. Nesses casos, é possível parcelar a entrada em até 60 vezes, o que pode tornar a aquisição do imóvel mais acessível.

Em resumo, é importante entender que a aquisição de um imóvel envolve uma série de fatores, como a renda do comprador, o valor do imóvel e as opções de financiamento oferecidas pelos bancos e construtoras. Por isso, é fundamental buscar informações e orientações com corretores de confiança, que possam auxiliar na escolha da melhor opção de imóvel e financiamento.

Parcelamento da Entrada e Amortização

Ao comprar um imóvel, muitas pessoas se perguntam se é possível financiar 100% do valor. De acordo com o casal de corretores de imóveis Rogério e Lue, essa possibilidade não existe, mas é possível financiar uma porcentagem do valor e parcelar a entrada e a amortização.

Em relação à porcentagem financiada, geralmente os bancos financiam 80% do valor do imóvel, podendo chegar a 90% em alguns casos. Isso significa que o comprador precisa dar uma entrada, que pode ser parcelada pela construtora em até 90 vezes.

Para aqueles que possuem renda mais baixa, é possível obter subsídios que reduzem o valor do imóvel e, consequentemente, a entrada. No entanto, essa opção só está disponível para imóveis novos, pois os subsídios em imóveis usados são muito baixos.

Já em relação à amortização, existem duas opções de financiamento: Price e SAC. Na opção Price, os juros são fixos e as parcelas são decrescentes, enquanto na opção SAC as parcelas são fixas e os juros são decrescentes. A escolha entre essas opções depende da situação financeira do comprador e da sua capacidade de pagamento.

Além disso, é possível parcelar a entrada em até 90 vezes, mas é importante lembrar que isso é um financiamento e, portanto, há juros sobre o valor parcelado. No entanto, algumas construtoras oferecem avaliações do imóvel acima do valor real para reduzir o valor da entrada.

É importante ressaltar que a parcela do financiamento só começa a ser paga quando o comprador recebe as chaves do imóvel. Por isso, se houver oportunidade, é recomendado que o comprador pague a entrada enquanto o imóvel ainda está na planta, para que a amortização comece o mais cedo possível.

Em resumo, é possível parcelar a entrada e a amortização do financiamento de um imóvel, mas não é possível financiar 100% do valor. É importante avaliar a situação financeira e escolher a opção de financiamento mais adequada.

Início do Pagamento do Financiamento

Ao considerar a possibilidade de comprar um imóvel 100% financiado, é importante entender como funciona o processo de financiamento imobiliário. Em geral, os bancos não financiam 100% do valor do imóvel. Na maioria dos casos, o financiamento é de 80% do valor do imóvel, enquanto o comprador precisa arcar com os outros 20% como entrada.

No entanto, existem algumas opções para aqueles que não têm dinheiro para dar como entrada. Algumas construtoras oferecem financiamento da entrada em até 90 vezes, o que pode ajudar a tornar o processo mais acessível. Além disso, em alguns casos, a avaliação do imóvel pode ser feita de forma a reduzir o valor da entrada.

É importante lembrar que, mesmo que a entrada possa ser financiada, isso não significa que o imóvel esteja sendo financiado 100%. Ainda assim, essa opção pode ser uma boa alternativa para aqueles que não têm dinheiro para dar como entrada.

No caso de imóveis na planta, a parcela do financiamento só começa a ser paga quando o comprador pegar as chaves do imóvel. Isso significa que, se houver a oportunidade de pagar a entrada enquanto o imóvel ainda está em construção, o processo pode se tornar ainda mais acessível.

Em resumo, embora seja possível encontrar opções de financiamento que permitam a compra de um imóvel sem entrada, é importante lembrar que essas opções não significam que o imóvel esteja sendo financiado 100%. É importante avaliar cuidadosamente as opções disponíveis e escolher aquela que melhor se adapta às suas necessidades e possibilidades financeiras.

Canais de Contato dos Corretores

Os corretores de imóveis mencionados no vídeo trabalham em São Paulo capital, Campinas, Catanduva e Rio Preto. Eles explicam que é possível financiar um imóvel sem entrada, mas não é possível financiar 100% do valor do imóvel. Geralmente, os bancos financiam 80% do valor do imóvel e o restante deve ser pago como entrada. Entretanto, existem construtoras que financiam a entrada em até 90 vezes, o que facilita a compra do imóvel.

Os corretores explicam que o financiamento de 90% é possível através do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) na modalidade Price ou SAC. Na modalidade Price, a construtora pode fazer uma avaliação maior do imóvel para diminuir o valor da entrada. Já na modalidade SAC, a primeira parcela é mais alta, mas é possível amortizar ao longo do tempo.

Os corretores também explicam que a renda do comprador é um fator importante para o financiamento. Quanto maior a renda, maior a possibilidade de financiamento de um imóvel com valor mais alto. Além disso, os corretores mencionam que existem construtoras que financiam a entrada em até 70 ou 90 vezes, o que pode facilitar a compra do imóvel.

Para entrar em contato com os corretores mencionados no vídeo, é possível acessar o Instagram ou o Facebook dos “Corretores Sinceros”. Eles estão disponíveis para responder dúvidas e dar suporte na compra de um imóvel.

Atuação dos Corretores e Áreas de Foco

Os corretores de imóveis Rogério e sua esposa Lue trabalham em uma imobiliária em São Paulo, capital, Campinas, Catanduva e Rio Preto. Eles explicam que é possível financiar um imóvel sem dar entrada, mas não é possível financiar 100% do valor do imóvel. O financiamento é feito geralmente em uma proporção de 80/20 ou 90/10, dependendo da renda do comprador e do valor do imóvel.

Eles explicam que o programa Minha Casa Minha Vida oferece subsídios para imóveis novos com valores abaixo de R$140.000 e renda de R$1600 com dependente, permitindo que o comprador adquira o imóvel sem dar entrada. No entanto, para imóveis usados, o subsídio é muito baixo e não é possível financiar sem dar entrada.

Os corretores também explicam que para imóveis com valores mais altos e rendas maiores, é necessário dar entrada e o financiamento é feito na proporção de 80/20. No entanto, eles afirmam que é possível financiar a entrada em até 90 vezes, o que ajuda a facilitar a compra do imóvel.

Além disso, eles mencionam que existem duas formas de financiamento: a Price e a SAC. No SBPE, é possível financiar 90% do valor do imóvel na proporção de 90/10, mas a renda deve suportar o valor da primeira parcela, que é bem alto. Já na SAC, a proporção é de 80/20.

Os corretores também mencionam que algumas construtoras oferecem avaliações maiores do imóvel para diminuir a entrada do comprador. Eles enfatizam que é importante verificar a situação financeira antes de fazer qualquer compra e que estão disponíveis para ajudar em qualquer dúvida. Eles se especializam em imóveis na planta e oferecem suporte para compra de imóveis na região de São Paulo, Campinas, Catanduva e Rio Preto.

Como Proceder com Dúvidas e Compra de Imóveis

Ao considerar a compra de um imóvel, é natural que surjam dúvidas sobre o processo de financiamento. É importante entender como funciona o financiamento imobiliário e quais são as opções disponíveis.

De acordo com os corretores de imóveis, Rogério e sua esposa Lue, é possível financiar um imóvel sem dar uma entrada, mas não é possível financiar 100% do valor do imóvel. Geralmente, os bancos financiam 80% do valor do imóvel, enquanto o comprador precisa dar uma entrada de 20%.

No entanto, existem algumas opções para facilitar o pagamento da entrada. Algumas construtoras oferecem a possibilidade de parcelar a entrada em até 90 vezes, o que pode ajudar quem não tem uma quantia significativa para dar de entrada.

Além disso, é importante considerar as diferenças entre os tipos de financiamento. O SBPE é destinado a rendas maiores, acima de R$ 8.000, ou para quem já possui um imóvel. Nesse caso, é possível financiar até 90% do valor do imóvel.

Já o Minha Casa Minha Vida é destinado a famílias com renda de até R$ 9.000 e oferece subsídios para reduzir o valor do imóvel. No entanto, é importante lembrar que o subsídio só é válido para imóveis novos e pode não ser suficiente para zerar a entrada.

Ao escolher um imóvel, é importante avaliar a sua situação financeira e escolher o tipo de financiamento que melhor se adequa às suas necessidades. Caso tenha dúvidas, é recomendado buscar o auxílio de um corretor de imóveis de confiança.

Compartilhar