sexta-feira , 21 junho 2024
Ínicio Mercado SHEIN anuncia investimento em produção têxtil no Brasil e criação de 100 mil empregos em três anos
MercadoNoticias

SHEIN anuncia investimento em produção têxtil no Brasil e criação de 100 mil empregos em três anos

767

A SHEIN, varejista global online de moda, beleza e estilo de vida, anuncia hoje que fará um grande investimento no Brasil, a fim de tornar o País um pólo mais moderno de produção têxtil e de exportação para a América Latina. A empresa planeja estabelecer parceria com dois mil fabricantes locais e criar aproximadamente 100.000 empregos nos próximos três anos para produzir peças com a marca SHEIN.

Para apoiar os fabricantes brasileiros e aumentar a competitividade, a companhia investirá inicialmente 750 milhões de reais para fornecer tecnologia e treinamento aos fabricantes a fim de atualizar seus modelos atuais de produção para o modelo sob demanda da SHEIN. Isto permitirá aos produtores locais gerenciar melhor os pedidos, reduzir o desperdício e diminuir o excesso de estoque, resultando em uma maior agilidade para responder à demanda do mercado. Além de beneficiar as comunidades locais, o onshoring (produção no mercado onde o bem será consumido) da manufatura também contribuirá para a competitividade geral da indústria têxtil com o potencial de aumentar as exportações.

“A chave para nossa estratégia de crescimento é alavancar nossa escala global e excelência operacional para apoiar e contribuir para as economias e ecossistemas locais”, afirma Marcelo Claure, Chairman da SHEIN para a América Latina. “Temos visto grande sucesso no Brasil desde nosso lançamento em 2020 e, com a crescente demanda dos consumidores, vimos a oportunidade de localizar mais a nossa cadeia de fornecimento para beneficiar os consumidores, as pequenas empresas e a economia em geral”, ressalta Claure.

“Começamos a trabalhar com a SHEIN recentemente e, desde então, atingimos um crescimento de 120%. A empresa tem uma clara metodologia de trabalho e know-how para estruturar a indústria para o comércio eletrônico. Um dos maiores diferenciais da companhia é a agilidade na análise do desempenho de vendas do produto e a rápida reposição dos mesmos, feito de forma automática”, disse Kauê Chofi, proprietário da fábrica têxtil Naif.

MARKETPLACE

Além do investimento na fabricação no Brasil, a SHEIN anuncia hoje seu marketplace para vendedores locais para atender às demandas dos clientes brasileiros por uma variedade muito maior de produtos e categorias, bem como tempos de entrega mais rápidos. O modelo do marketplace começou a ser testado no País em 2022.

Um dos objetivos do marketplace é ajudar a capacitar a comunidade de vendedores locais para alcançar a base de clientes da empresa por meio do site e do aplicativo da companhia. Além disso, o modelo de marketplace também permite que os vendedores possam aproveitar ainda a vasta experiência em marketing, redes sociais, logística e ecossistema de distribuição da SHEIN.

“O Brasil é um mercado importante para nós, e estamos comprometidos em continuar a apoiar o crescimento econômico e o sucesso da SHEIN por todo o País”, acrescenta Felipe Feistler, General Manager da empresa no Brasil. “Nosso objetivo é apoiar os fabricantes e fornecedores brasileiros para que possam aumentar seu alcance e crescimento no Brasil, bem como agir como um bloco de construção para futuras oportunidades globais”, ressalta Feistler.

“Graças ao apoio e ao alcance do marketplace da SHEIN, vimos um aumento nas vendas de cerca de 220% em apenas três meses. Alcançamos consumidores que de outra forma não teríamos alcançado e, como resultado, dobramos nossos números de pedidos diários. Nos dias de promoção, as vendas aumentaram incríveis 300%”, comenta João Paulo Galvão, proprietário da Moderna & Slim e vendedor local do marketplace da companhia.

O modelo do marketplace da companhia também tem apoiado os vendedores locais para que as suas marcas sejam reconhecidas como marcas de moda, ao contrário de outros marketplaces, onde isso não ocorre.

A expectativa da SHEIN é que, até o final de 2026, cerca de 85% de suas vendas sejam locais, tanto de fabricantes como de vendedores.

Compartilhar