segunda-feira , 15 abril 2024
Divulgação
Ínicio Noticias Defesa cibernética deve envolver todos os setores da sociedade, avaliam especialistas
Noticias

Defesa cibernética deve envolver todos os setores da sociedade, avaliam especialistas

1.3k
Compartilhe

Para o fundador e CEO da Apura, por exemplo, o compartilhamento de informações sobre ameaças precisa de ser prática constante. Segurança na internet foi tema de debate virtual nesta segunda-feira, dia 18.

 

Empresas e poder público no Brasil têm intensificado esforços e investimentos em busca de proteção e segurança na internet. O tema, além de requerer política pública específica, precisa envolver outros setores da sociedade também. Essa é a avaliação de especialistas que participaram na tarde desta segunda-feira, dia 18, do debate virtual “Defesa Cibernética”, promovido pelo Instituto de Estudos Jurídicos Aplicados (Ieja).

O encontro contou com as contribuições do fundador e CEO da Apura Cybersecurity Intelligence, Sandro Süffert, empresa brasileira que é referência mundial na área; do general Guido Amin, comandante de Defesa Cibernética (do Ministério da Defesa); do professor César Marcondes, do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), e do senador por Santa Catarina Esperidião Amin. O consultor legislativo do Senado e diretor do Instituto de Estudos Jurídicos Aplicados (Ieja), Tarcísio Dal Maso, foi o mediador.

Para Sandro Süffert, faz-se necessário entendimento geral de que a segurança cibernética não é uma atividade fim, mas sim área meio de qualquer tipo de atividade. É, pois, um tema transversal, “que deve ser preocupação de todas as áreas da sociedade”, conforme assinalou o especialista.

Nesse sentido, além do desenvolvimento de sistemas feitos por empresas brasileiras, tem sido importante também a atuação da academia brasileira. “Os estudos, os sistemas feitos por universidades brasileiras têm sido fundamentais”, frisou o CEO da Apura.

NA ESCOLA

O general Guido Amin, comandante de Defesa Cibernética, do Ministério da Defesa, ressaltou que a defesa cibernética deve ser discutida desde cedo, nas escolas. “É preciso que a preocupação com a proteção na internet esteja na mentalidade de todos, em nível individual e coletivo”, salientou o representante do governo.

Assim, do uso do telefone pessoal aos mais complexos sistemas de informação, todos devem estar aptos a identificar cuidados necessários. “É um desafio para a nação”, ilustrou o general.

SOBERANIA

O senador Esperidião Amin, que, como integrante da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado foi relator de um documento que aponta diagnósticos e proposições sobre segurança cibernética no Brasil (encaminhado no final do ano passado ao governo federal), alertou para a importância da soberania do país no controle de sistemas de segurança cibernética. Lembrando de diagnósticos trazidos pelo documento que a comissão do Senado elaborou, o parlamentar citou o fato de que a certificação-raiz das autoridades certificadoras do sistema financeiro brasileiro está sob controle de instituições norte-americanas.

Esperidião Amin sublinhou ser fundamental tratar segurança ou defesa cibernética como política pública, e recomendou o máximo possível de divulgação do relatório que a comissão do Senado produziu, fruto de um trabalho de meses de estudos e audiências públicas sobre o assunto.

Leia Também: Sem dó: nem instituições de saúde escapam das ameaças cibernéticas envolvendo a Covid-19

Na avaliação do professor César Marcondes, do ITA, a atuação da ciência é imprescindível. “A academia deve trabalhar em conjunto com outros setores”, frisou, acrescentando que as pesquisas contribuem para um “olhar futuro” sobre o tema defesa cibernética.

Em sua explanação final, o CEO da Apura salientou o intercâmbio de conhecimentos como fundamental para o enfrentamento de ameças na internet. “A área financeira tem grupos de detecção e proteção, assim como setores estratégicos como energia, telecomunicação. É importante haver o compartilhamento de informações sobre ameaças cibernéticas relevantes. Isso traz entendimento da realidade. Há maturidade em defesa cibernética, só que ainda é setorial, e precisa ser intersetorial”, considerou.

Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo Relacionado

Nova câmera de sensor duplo oferece 4K a 30 fps e suporte para analíticos de IA

A Axis Communications anuncia uma câmera multidirecional de sensor duplo projetada para...

Volkswagen Caminhões e Ônibus e Taggen desenvolvem tecnologia IoT para gestão inteligente de pátio

A Volkswagen Caminhões e Ônibus, em parceria com a Taggen Industries &...

Descubra 4 práticas básicas de segurança recomendadas para evitar invasão hacker em aplicativos móveis

É seguro dizer que todos os consumidores e funcionários utilizam e dependem...