Criptomoedas são alternativas para investidor diversificar carteira

Publicidade

A instabilidade financeira gerada pela pandemia e intensificada com o cenário político traz um desafio para cada um que deseja investir. E com o rendimento da poupança abaixo da inflação, isso significa que o dinheiro guardado hoje poderá comprar menos coisas no futuro. Para Bernardo Pascowitch, fundador do Yubb (https://yubb.com.br/), maior buscador de investimentos do país, as criptomoedas são uma alternativa para diversificar a carteira e evitar a desvalorização do dinheiro investido.

“As criptomoedas são, hoje, os ativos com o maior potencial de valorização da década. A sua volatilidade é realmente alta, mas o que faz com que o investidor tradicional não confie nas moedas digitais tem mais a ver com uma falta de entendimento do mercado e do seu perfil enquanto investidor, do que um receio ligado à volatilidade”, explica Bernardo.

Para o especialista, se o investidor se preocupa com o seu futuro, ele tem que considerar o investimento em criptomoedas. “Investir em criptomoedas está estritamente ligado à proteção do patrimônio a longo prazo. A gente estuda para comprar um carro, estuda qual o melhor restaurante para comer, estuda qual profissão seguir. Mas, na hora de investir nosso dinheiro, a gente pula o mais importante: o estudo. O investidor precisa conhecer qual o seu perfil de risco para assim poder atuar com segurança na renda variável e, consequentemente, com criptomoedas”.

Publicidade

O Yubb realizará até o dia 21 de outubro (quinta-feira) a Semana da Revolução Cripto, uma programação especial online para educar o investidor a atuar com criptomoedas. Os interessados podem se inscrever gratuitamente no site da ação.

“Investir em criptomoedas é entender alguns passos. O primeiro é que o investidor não deve aplicar aquele dinheiro guardado para sua reserva de emergência, ou seja, aquela verba que pode ser retirada a qualquer momento para suprir despesas. Para isso, a renda fixa é mais recomendável. Já o segundo ponto é a conscientização da volatilidade das moedas: a pessoa somente deve investir o que ela tem ciência que pode perder”, complementa.

“Nós ainda temos aquela visão de que investir é para um público segmentado, mas não é assim, e a internet está auxiliando na difusão da educação financeira. As informações estão mais acessíveis, é só a pessoa ficar atenta. Agora, uma última dica: ao escolher uma corretora, procure aquela que tem menos taxa. Afinal, quanto menos você pagar, mais dinheiro tem para render”, conclui Bernardo.

Publicidade

Artigos recentes

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui