terça-feira , 5 março 2024
Ínicio Mercado Na semana da Black Friday, especialista alerta sobre 5 práticas pelo WhatsApp que podem derrubar a venda on-line
MercadoNoticiasRedes Sociais

Na semana da Black Friday, especialista alerta sobre 5 práticas pelo WhatsApp que podem derrubar a venda on-line

102

De acordo com o levantamento da Buen Fin 2023 da Meta, 65% das pessoas preferem receber promoções e interagir com as empresas por meio do WhatsApp do que por e-mail, SMS ou ligação. Então, na semana da Black Friday, vale uma atenção especial com as abordagens via aplicativo, com apelos comerciais extremamente estratégicos. “O WhatsApp está nas mãos de 99% da população brasileira e é uma das ferramentas mais potentes para alavancar vendas. Mas, é igualmente eficaz para afastar clientes, se não houver uma comunicação adequada”, alerta Rafael Jakubowski, que atua há mais de 15 anos com marketing estratégico para vendas online.

 O especialista em e-commerce e CEO da Sanders Digital orienta que, “antes de fazer contato, é fundamental selecionar uma ou mais ofertas específicas para comercializar pelo WhatsApp. Assim, demonstrará vantagem efetiva ao cliente em comprar pelo aplicativo, através de um vendedor real. Isso vale para qualquer segmento”, explica Jakubowski. Outras dicas infalíveis, são: utilize gatilhos mentais como de escassez e urgência, e atenção ao português, porque a comunicação com erros expressivos pode desagregar à imagem e denotar amadorismo, desespero por venda ou qualquer outra impressão que poderá afastar o cliente.

Ele aponta, ainda, cinco práticas que podem afastar o cliente e derrubar uma venda on-line:

  1. Entrar em contato simplesmente para enviar um SPAM, ou seja, uma mensagem querendo vender algo e que o cliente não desejou receber;
  2. Não prestar atenção ao que o cliente escreve. Quantas vezes o cliente já inicia a conversa com a empresa perguntando sobre um produto, e ela, na resposta, pergunta “como pode ajudar?”. O cliente não deve ter retrabalho;
  3. Não tratar o cliente pelo nome, o seu próprio nome é a palavra mais doce que o ser humano pode ler/ouvir. E torna a mensagem mais pessoal;
  4. Achar que todos que você inseriu na lista de transmissão vão receber sua mensagem. Pouca gente sabe, mas, só quem vai receber essa mensagem da lista de transmissão é quem, de fato, adicionou você na agenda. Ou seja, sua mensagem não vai chegar para todo mundo.
  5. Só entrar em contato com o cliente quando quer vender. Muita gente negligencia o pós-venda. Por que não fazer contato e perguntar como foi a experiência com o serviço ou o produto? E, inclusive, solicitar para o cliente deixar o número da empresa e o nome do atendente registrado, se disponibilizando para o que precisar!

Jakubowski acrescenta que, apesar da inteligência artificial e de tantas outras ferramentas facilitadoras, os clientes querem ser atendidos por pessoas quando se trata de WhatsApp, querem falar com alguém, obter opiniões. Esse é o perfil do consumidor que prefere atendimento humanizado pelo aplicativo e que efetivamente compra, se fideliza. “É o que chamo de Concierge Commerce”, explica o especialista.

O especialista atua com mentoria, treinamentos e palestras para pequenas, médias e grandes companhias de diferentes segmentos e, somente nos últimos 12 meses, gerou mais de R$ 50 milhões em faturamento para seus clientes através de estratégias pelo aplicativo.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conteúdo Relacionado

O Papel da Fotografia Corporativa na Estratégia de Marketing Digital

Em um mundo onde a imagem de uma marca pode ser tão...

Constelação Familiar e Saúde Mental: Uma Perspectiva Terapêutica

A saúde mental, fundamental para o bem-estar geral do indivíduo, é influenciada...

4 dicas úteis para poupar dinheiro usando a internet

Em meio a realidade dos altos preços, uma tendência se destaca: a...

Inteligência Artificial Generativa: como o varejo pode aproveitar a tecnologia para gerar inovação

*Por Carlos Siqueira A pandemia global acelerou a adoção digital em várias...