União de inovação e sustentabilidade será uma das tendências que vai impactar o segmento logístico neste ano

Por Ruben Belluomo*

O ano de 2020 começa em meio a um cenário de inovação que acelera a uma velocidade jamais vista. Estamos passando por uma revolução digital que está mudando a maneira como vivemos, trabalhamos e interagimos. O poder da tecnologia da informação está transformando a realidade dos negócios à medida que mais de nossas decisões são baseadas em dados e os casos de uso da inteligência artificial estão fornecendo um valor significativo para os negócios. Enquanto isso, os movimentos globais para proteger o planeta e operar com responsabilidade continuam a crescer com relevância.

Inovação e sustentabilidade devem guiar os negócios em 2020, em diferentes segmentos. Não apenas para varejistas e empresas de bens de consumo, mas também para empresas de todos os tipos, a sustentabilidade é cada vez mais esperada por clientes, acionistas e fornecedores. Para não perder oportunidades e se tornar competitivos no mercado, as empresas devem investir em supply chain e ficar atento com as principais tendências do setor de transporte.

A palavra de ordem é sustentabilidade

A sustentabilidade está se tornando um requisito em muitos setores. Não apenas para varejistas e empresas de bens de consumo, mas também para empresas de todos os tipos, a sustentabilidade é cada vez mais esperada por clientes, acionistas e massas. Está se tornando cada vez mais importante no recrutamento de talentos. A responsabilidade ambiental deixou de ser pauta exclusiva para ambientalistas e passou a ser pauta de discussão do cotidiano.

Eliminar milhas vazias

Com um foco crescente em sustentabilidade e eficiência, os contêineres vazios serão um botão cada vez mais popular no setor de transporte. No frete, desperdício significa que mais combustível é consumido, mais carbono é emitido e os motoristas passam mais horas parados. Milhas vazias, milhas sem receita ou milhas inativas são um obstáculo para a indústria e a economia, pois as empresas pagam mais para movimentar mercadorias. As transportadoras respondem por suas próprias expectativas em relação a milhas vazias ao decidir quanto cobram por uma carga específica para que todos, desde remetentes até consumidores finais e, claro, o meio ambiente – paguem o custo de milhas vazias.

Política e comércio tornam-se cada vez mais entrelaçados

Em 2019, as mudanças nas políticas comerciais foram percebidas como uma distração. Em 2020, elas serão abordadas como parte da nova realidade em que vivemos. As tarifas e os regulamentos comerciais se tornarão os pilares das discussões sobre estratégia de negócios e todos, desde o diretor da cadeia de suprimentos até o gerente de logística, acompanharão os desenvolvimentos do comércio como uma questão de negócios.

A inteligência humana molda a inteligência artificial

Está surgindo uma ligação maior entre a mente humana e a inteligência artificial. Os pesquisadores possuem estudos avançados para entender melhor como a aprendizagem se desenvolve desde criança. O objetivo é aprimorar a inteligência artificial e os modelos de machine learning para serem menos lineares, flexíveis, mais curiosos e perspicazes. Os atuais mecanismos de machine learning precisam ser alimentados com milhares de imagens rotuladas para que possam aprender a reconhecer simples objetos ou animais, como um gato. No entanto, os erros ainda são propensos quando são apresentadas imagens de formas borradas, semelhantes a esse objeto.

À medida que as cadeias de suprimentos progridem para processos autônomos, o aprendizado de máquina e as plataformas de IA continuarão aprendendo, observando humanos e sinais de dados que abrangem partes, regiões e cadeias de suprimentos, para entender as complexidades e nuances do comércio global. Alguns fluxos de trabalho passam para o status de apagados, enquanto muitos outros cenários complexos que envolvem colaboração de várias partes e orquestração em toda a rede exigirão maior aprendizado de suas contrapartes humanas.

Supply chain olhando para dentro

Em 2020, será dada ênfase às economias autossustentáveis, com o supply chain confiando em recursos e parceiros comerciais domésticos. Isso ocorrerá principalmente nos EUA, China e outras economias desenvolvidas. A produção se inclina cada vez mais para “produzir e entregar localmente”. No lado do consumidor, há uma tendência crescente na relação com as marcas locais. Na China, os consumidores estão cada vez mais se voltando para as marcas chinesas para roupas, aparelhos de alta tecnologia e carros, ignorando nomes ocidentais. Nos EUA, as empresas estão se preparando para tensões de longo prazo com outros blocos comerciais globais e vai diversificar suas redes de suprimentos, além da China, e construindo novas redes em outros lugares, em muitos casos mais perto de casa.

O Muro de Berlim Digital

Kristalina Georgieva, nova diretora do FMI, destacou em seu discurso inaugural que: “Mesmo que o crescimento acelere em 2020, as brechas atuais podem levar a mudanças que duram uma geração – cadeias de suprimentos quebradas, setores comerciais isolados, uma Berlim digital”. A metáfora do Muro de Berlim Digital enfatiza barreiras emergentes e o impacto que a tecnologia está exercendo sobre o comércio. À medida que o supply chain recua para dentro e os aprimoramentos da tecnologia estão ainda mais arraigados no comércio, algumas das medidas que estão sendo feitas hoje podem ter ramificações de longo prazo nas cadeias de suprimentos, com partes ou regiões parando.

Agilidade e flexibilidade globais, pontos de foco por anos à medida que a globalização se expandiu, darão uma guinada. A resiliência e a flexibilidade permanecem importantes, mas de repente a capacidade de integrar e apoiar rapidamente fornecedores fora dos hubs tradicionais de fornecimento se torna essencial à medida que surgem novas barreiras digitais. Matérias-primas e insumos essenciais podem de repente ficar indisponíveis ou onerosos. A necessidade de agir rapidamente diante de tais riscos será essencial para competir.

Conclusão

Em 2020, é mais importante do que nunca que as empresas estejam totalmente conectadas aos seus parceiros no exterior. Colaboração, visibilidade e dados de fluxo livre entre as partes são ingredientes essenciais para prosperar em um futuro cada vez mais incerto e cheio de pressão. As empresas que orquestram sua cadeia de suprimentos como uma única rede coesa terão agilidade e velocidade de execução para detectar e responder proativamente e atender às necessidades de seus clientes. Essa será uma vantagem competitiva significativa em 2020.

Ruben Belluomo é Sales Manager e Supply Chain da Infor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui