Atenção à população sênior abre oportunidades nos mais diversos setores de mercado

Publicidade

Pandemia do novo coronavírus trouxe a visão para muitas empresas que precisam se preparar para atender um público responsável por até 20% do consumo do país

A proporção de pessoas com 60 anos ou mais deve duplicar entre 2007 e 2050. No Brasil, a população nessa faixa etária supera os 29 milhões, os quais são responsáveis por até 20% do consumo registrado no país anualmente. A perspectiva de analistas e pesquisadores é de que esses números continuem crescendo ainda mais rápido nos próximos anos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estima-se que, em 40 anos, o número de homens e mulheres na terceira idade triplique no Brasil, chegando a 66,5 milhões de pessoas.

Ainda assim, poucas marcas estavam atentas à digitalização de serviços voltados a esse público. Segundo levantamento feito pela Economist Intelligence Unit, apenas 30% das empresas planejavam ações focadas no cliente 60+, cenário que deve ser bastante alterado agora, após a pandemia do novo coronavírus, que ascende a necessidade das companhias se prepararem cada vez mais para atender novos hábitos do consumidor em geral, incluindo a população sênior, que faz cada vez mais uso da tecnologia.

Um mapeamento da ilegra, empresa global de design, inovação e software, sobre o relacionamento do público sênior com a tecnologia – principalmente no setor de finanças –  reuniu mais de 30 fintechs nacionais e internacionais. Segundo o estudo, apesar de tímidas, o Brasil têm iniciativas com foco em soluções para evitar golpes e fraudes, gestão financeira compartilhada com filhos adultos, gestão financeira e patrimonial e também planos de saúde customizados. Vale lembrar que a Inteligência Artificial é uma aliada neste desenvolvimento.

Publicidade

“É possível facilitar o uso de aplicativos e soluções digitais de bancos e empresas do ramo financeiro, tornando o sênior hábil para fazer suas transações e pagamentos sem ter que se deslocar até uma agência. Esse público também é o mais vulnerável a fraudes, portanto, pensar soluções que os proteja com mais eficiência é algo que precisa ser observado”, pontua Caroline Capitani, VP da ilegra e responsável pelo mapeamento.

Além da área financeira, as possibilidades estendem-se a setores como serviços de entrega, cujos aplicativos podem aumentar a autonomia do sênior frente a atividades corriqueiras; auxílio saúde, com dispositivos e aplicativos de monitoramento, alertas e lembretes que já têm sido usados para a manutenção e controle da saúde do sênior – mas com espaço ainda para planos de saúde mais adaptados e customizados à realidade dessa faixa etária.

As possibilidades estendem-se ainda à ampliação do “e-health” e do “home care” nesse nome contexto; comunicação e inclusão social, como os aplicativos de troca de mensagens que já vêm sendo mais utilizados por esse público, e reduzem a sensação de isolamento, aproximando-os de seus familiares e amigos; e entretenimento, com foco em atividades recreacionais que distraem e possibilitam um passatempo extra a eles, como também estimulam as capacidades motora e cognitiva, prevendo interações sociais.

“Como profissionais à frente de soluções na experiência do usuário, criação e solução de produtos de tecnologia, sejam eles físicos ou digitais, nós temos a possibilidade e o dever de nos atentarmos a isso. Assim como no design inclusivo e no design universal, temos que nos conscientizar e pensar nos mais diversos públicos no nosso processo projetual, sendo a terceira idade, mais do que nunca, parte deste contexto. Fontes e áreas de clique maiores, calibre no contraste de cores, atenção no uso demasiado de elementos em tela e informações claras de uso são alguns poucos exemplos que podem facilitar a utilização de produtos digitais para os idosos”, conclui Nicolle Perico, UX Designer na ilegra.

Publicidade

Artigos recentes

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui